quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Enchentes de Cataguases



Esta é uma leitura visual onde procuro ver as forças da natureza agindo.
Uns choram, outros desesperam-se, muitos perdem seus poucos bens, mas acima
de tudo existe uma ordem e harmonia universal que através desses momentos vão ajustando as situações da vida humana, colocando tudo nos seus devidos lugares.
Tenhamos certeza disso; e aquilo que se apresenta como dor ou dificuldade é uma experiência que deve ser vivida com dignidade moral.
Muita paz para todos nós que direta ou indiretamente estamos envolvidos neste processo.

12 comentários:

Anônimo disse...

Oi Maísa,

Obrigada por postar estas fotos. Estou em Curitiba e não consigo falar em Kta. Algo erradocom os telefones?
Ana Silva

Anônimo disse...

Oi Maísa, que bom achar você, pude ver as imagens de Cataguases, e lembrei-me da enchente de 1979.
Estou em São Paulo e pretendo ir aí no dia 26. Espero que as águas baixem, e que todos se recuperem de suas perdas.
Parabéns pelo Blog,é bom saber que Cataguases continua formando pessoas de conhecimento e alto nível intelectual como você.
Feliz Natal!!!!!!

Simoni disse...

Olá Amiga, é assustador como a natureza tem manifestado sua necessidade de reorganizar as coisas por aqui, não? Mas rever Cataguases nessa situação me fez lembrar dos meu momentos ai e sinto muito por tantos amigos e por todos, me mande notícias simoniasantana2@yahoo.com.br, um abraço prá vocês
Simoni

Maísa disse...

Sim Ana Silva e demais visitantes,em alguns locais há dificuldades de contatos.O bairro Beira Rio está tomado em alguns pontos fazendo com que o acesso a ele e demais bairros depois dele seja somente por barco.
A Vila Rezende como sempre está completamente alagada, o bairro Vila Reis incomunicável.
Hoje têm 10 barcos inclusive alguns particulares colaborando para fazer o contato levando auxílio e transportando pessoas doentes.
A energia elétrica está cortada em alguns bairros por medida de segurança e a água potável já falta na cidade.
Olhem, o nível da água na noite passada subiu muito, ela entrou no Calçadão na altura do Bazar René, assim esta enchente se igualou à de 1979.
Sendo possível colaborar com vocês enviando notícias estou aqui e venham quando possível para matar as saudades dos parentes e amigos.
Um abraço a todos e muita paz neste natal e festas de final de ano.

Val disse...

Maísa, conheço a querida Katá através do meu marido Joaquim Rossi, que aliás,duvido vc não conheça o tio dele Nilton Rossi professor e sua esposa Colly.Apesar da idade,rsrs,comecei no pc agora e nunca entrei num blog,p/mim só tinha bobeira.Me susprendi com o seu, é o 1ºque visito,descobri colocando no google enchente em Katá e me deparei com o seu blog, estou encantada, até porque percebo que vc é espírita também.Obrigada pela luz cultural que é o seu blog e o casúlo é mui lindo. Que os nossos mentores estejam sempre iluminando este seu trabalho. Muita LUZ.Beijos e abra;os fraternais.

Maísa disse...

Oi Val obrigada pelo carinho, existem muitos blogs interessantes continue procurando que verá.Quanto à família Rossi conheci e conheço alguns. O sr.Nilton foi meu professor, a Wanda Rossi amiga de minha mãe e por aí vai. Quanto à idade cronológica isso não é problema pois somos espíritos imortais e toda hora é momento de adquirirmos aprendizado. Eu gosto de trabalhar com blogs, depois visite os outros que tenho. Nessa fase difícil com esta postagem de óntem já recebi vários comentários e alguns até pedindo informações de bairros. Tenho respondido a todos.
Um abraço carinhoso pra você Val e fique com Deus.

17º Andar disse...

Olá Maísa;
Meu nome é Flávio estou em SP há 18 anos, e estou imprescionado como a imprensa dai não passa uma informação. Não tem nada nos sites. Tenho parentes na Vila Tereza e Beira Rio e não consigo falar com eles. Obrigado pela vontade de fazer diferente.

Maisa disse...

Oi Flávio, moro na Vila Tereza.A água invandiu os quintais e algumas casas mais baixas daqui, mas todos estão alojados em casas mais elevadas de vizinhos, não houve mortes fique tranquilo.
O Beira Rio estava incomunicável até ontem a noite; somente dando passavem por barco. As águas invandiram aquelas ruas sem saídas do bairro e todos saíram de suas casas. Depois do Bahamas a água atingiu a rua por um bom trecho.
Os doentes estão sendo trazidos ao hospital por barcos e a defesa civil está atuando firme desde o começo com ajuda do corpo de bombeiros.
Fique tranquilo que seus familiares estão vivos superando essa dificuldade.
Se estou podendo ajudar fico satisfeita pois não pensei nessa repercussão quando postei as imagens.
Tenha um bom dia.

Anônimo disse...

OI Maísa sou de Cataguases mais estou morando em BH... estou muito triste com a enchente.... minha família é toda de kta....acompanho as noticias pela televisao e net... você poderia me enviar o filme q vc fez com as fotos.... agradecida e em oração pela recuperação de nossa cidade... que é tão bela.....

Kelly Machado
Email: kellyvalladares@gmail.com

Anônimo disse...

oi Maísa,
Realmente você é uma pessoa iluminada, o seu trabalho esta mantendo muitas pessoas que não conseguem contato com seus familiares e amigos, como eu, informadas sobre a situação de Cataguases.
TE ADMIRO CADA DIA MAIS.
Um abraço e fique com DEUS
JOELMA

WASHINGTON MAGALHÃES disse...

Olá Maysa
Gostei de seu blog. Não cuida apenas de literatura. Quando coisas imperativas como as enchentes ocorrem ele também presta seus serviços. Quem não acompanha os momentos de tristeza de nossa população atingida pela água não consegue avaliar o prejuízo que causa. Muita tristeza. Antes era de 30 em 30 anos. Agora não. Parece que é de 3 em 3 anos. Alguma coisa há de ser feita. Ou pelo Poder Público ou por nós da população ou todos juntos. O que não pode ocorrer é a politização da tragédia. Parabéns pelo espaço aberto pelo seu blog. E falando em literatura informo que estou lendo Allen Ginsberg. O livro é UIVO. Um forte abraço, Washington

Maísa Fernandes disse...

Oi Washington, pena que este ano eu fiquei ilhada não podendo acompanhar os fatos e transmitir informações a cataguasenses em outros estados preocupados com seus familiares.
Quando dei pela situação não tinha como sair de casa mais.
Obrigada pela visita,
um abraço.